segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Nota

A salvação só pode existir mediante o entendimento do que se é, primeiro Deus, e em segundo a própria Salvação - Na pessoa de Jesus Cristo.

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Nota.

‌Mudança não é seguir preceitos que não se entende, mas sim entender preceitos que se segue.

Nota.

Lembrando de que pensamentos são arranjos, e que o cenário para estes arranjos, a consciência, deve ser melhor alicerçada do que os pensamentos em questão.

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

04...

Lutar contra certas verdades não parece ser sensato, ainda mais quando essas verdades são tão excludentes. É fato que em algum momento paramos de nos perguntar, aonde se poderia encontrar aquelas verdades, aquelas da infância; um verdadeiro estagio de embriagues nos advinha quando éramos crianças, numa soberba inocência divagávamos sobre coisas quaisquer, sem nenhuma responsabilidade, era simplesmente fantástico. No entanto, me pergunto muitas vezes, o que aconteceu. Aonde foi parar aquela percepção de uma realidade muito mais verdadeira, não pela quantidade de verdades nela contida, mas pelo simples fato da mesma se encontrar muito mais perto da verdade como ela é de fato, uma qualidade maior do que qualquer outra. Hoje pensar sobre verdades, é uma mentira na sua completa definição do que quer que possa vir a ser dito como verdade. Não me vejo outra definição, além desta falta de definição; filosofias aos montes, circunscritas em tantas outras, e é assim que vivemos e vagamos. Dessas, umas tratam do caminhar da mente, outras do andar corpóreo das coisas corpóreas. E outras, do sono de ambos. Umas tantas outras resolveram excluir o ser e tratar só do que em volta do mesmo existe, é um tal “objeto” pra lá e outros tantos para cá, coisa de louco. E tudo isso para explicar algo que por força da própria realidade, já se explica por si só. A verdade obscurecida por falta de pratica, eleva-se acima do ser, que por si só já é a verdade. Quer verdade maior; porem eu sei que para alguns, as palavras não soam tão bem quanto soariam se eu dissesse. “As memórias guiadas pela falta de juízo, são como um carro descontrolado em direção ao abismo”. 

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

03...

03...
Abstrair alguns conceitos é fácil, como por exemplo o conceito da dor. Por mais que ela seja um conjunto de estímulos, envoltos num complexo emaranhado de conexões, em nada ela se esconde quando sua manifestação nos é imputada. Caso contrário, somente aqueles que são imunes a dor. Já no caso de outros conceitos, além de sua complexidade esquemica, existe também um ofuscamento na sua manifestação mais direta. É o caso do Amor. Enquanto no caso da dor, como já disse com excessão daqueles imunes, ela é o que é para todos, um sofrimento, algo que dói intensamente no corpo e muitas vezes na alma. No caso do amor não é assim. Ele é o momento constante, o sacrifício continuo, o eu em outro tão intenso, que o caminho não importa, quando o fim se mostra verdadeiro. Foi devido a esta dificuldade por exemplo, que os Gregos distinguiram o Amor em tipos; eros, ágape, philos. E é por este motivo, que ele hoje ganhou a roupagem de graus; condicional e incondicional. Porque na sua verdadeira emanação, o Amor é tão volúvel que sua percepção é ofuscada por aquilo o qual ele deseja qualificar, o Homem. Portanto, amar não implica em estar, nesta ou naquela condição, como dizem aqueles que com a volúpia desdém da verdade. Mas sim ser, esta ou aquela condição, abraçando a lógica da qualificação do ser, e Isso é verdade. Pois, isso é amar!

domingo, 10 de dezembro de 2017

Direitos.

Hoje é o dia internacional dos direitos humanos. Um dia, o qual deveria ser comemorado os direitos adquiridos pelos indivíduos, direitos estes que existem como regulador daqueles outros que são por nós comumente conhecidos por direitos constitucionais. Isso mesmo, direitos garantindo que outros direitos sejam exercidos. Nessa esteira, os direitos humanos defendem a permanência de direitos que permitam a total liberdade e segurança dos indivíduos que eles abarcam. Algo desta importância deve ser lembrado, no mais, no mínimo observado. No quesito direito comum, já imaginamos alguém reconhecendo um dever de algo sobre algo, ou seja, de alguém para com alguém. Já nos direitos humanos, é a garantia de que os direitos comuns sejam cumpridos, no mínimo lembrados. Tudo isso é dado como garantia, um cumprimento de que o melhor de nós, a consciência plena e individual, seja a responsável pela ordem Social, é o sonho utópico da evolução do homem como Homem. No que me diz respeito, eu respeito. Mas, não deixo de me perguntar de maneira mais concisa o todo de toda esta boa vontade humana. Por exemplo, sendo um direito, é um direito de quem sobre quem, e porque? Se é de quem sobre quem, não deveria levar em conta o aspecto imaterial, já que a punição é extritamente material? Pois bem, estas duas perguntas sanadas já me dariam por compelido a aceitar muito mais do que o respeito. Isso porque ao meu ver, um direito não pode ser maior do que aquilo que o impele a ser, ou seja, o formulador do mesmo.

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Num dia qualquer.

Por mais que se diga o contrário, nem todo nome diz aquilo que quer dizer. E muitas vezes, a sua própria definição, aquilo que de fato é, não reflete em nada aquilo que supomos que ele seja.
Podemos dizer então que a realidade é apenas um emaranhado de verdades, antes vistas mas não vividas. Podemos dizer que ela não aparenta ser, que somos nós que a criamos mediante nossas dúvidas e escolhas. Ou podemos acreditar, que a realidade é apenas um sonho, desmembrados pela temporalidade de algo que insiste em ser. No fim não importa, pois como dizia Mário Ferreira dos Santos, "alguma coisa há".

Acerto.

Não existe fundamento se partir de preposições especulativas para agir em determinado assunto. O apanhado sobre ato deve ser de tal maneira factual, no mínimo lógico. Para que o efeito, a potência, deva ser pontual e precisa, no mínimo racional. Um efeito, seja ele qual for, nada mais é do que um ato coordenado, arranjado de maneira precisa ou não.

Apenas uma certeza qualquer.

Porque se desejar aquilo que mais adiante, será o motivo pelo qual o caminho vem a se tornar tão pesado. Porque o correr, tão desesperadamente em busca de sonhos, se tais sonhos no fim serão o motivo pelo qual se desejará acordar. Porque a certeza na incerteza é tão certa, que somos jogados de um lado para outro somente para conjulgar, "a certeza é verdadeira". Quando na verdade, o que gostaríamos é que a incerteza que habita na certeza, nos creditasse a verdade de uma certeza se quer. Pois é tudo tão claro, mas envoltos em escuridão estão os passos. E envolto neles, a certeza de que se algo vale a pena, este algo no mínimo deve ter do seu lado, a certeza da verdade.